Medical Express

ISSN (print): 2318-8111

ISSN (online): 2358-0429

Abstract

Analysis of Reliability of Peak Treadmill Running in Maximum Progressive Effort Test: Influence of Training Level

Abstract


OBJECTIVE: To determine the reliability (stability) of the peak velocity measurement (VPeak) derived from the incremental maximal effort test, as well as to establish the possible influence of the level of training on these responses.
METHOD: Thirty-eight male volunteers made two visits (3 - 5 days apart) to the training center where the study was conducted and performed maximal progressive running tests. The protocol consisted of increments of 0.5 km.h-1/min, starting at a running speed comfortable for each participant (7-9 km.h-1). All subjects were encouraged to achieve the maximum possible performance in both tests, with final voluntary exhaustion being the criterion for interruption.
RESULTS: The intra-class correlation coefficient presented excellent consistency of measurements (ICC = 0.975 - p = 0.001). The typical relative error of the measurement was 2.6% for the stability of the measurement of VPeak. Moreover, there were no significant differences between the individual coefficients of variation for measures 1 vs. 2 (p > 0.05). Graphical representation of Bland-Altman demonstrated a homogeneous distribution of the measurement error for all dependent variables.
CONCLUSION: Determination of VPeak exhibited excellent levels of reliability with small measurement errors. There was no influence of the training level on the reliability responses.


Keywords: Reliability; VO<sub>2Max</sub>; Aerobic Exercise; Aerobic Performance.

Resumo


OBJETIVO: Determinar a confiabilidade (estabilidade) da medida de velocidade de pico (VPico) derivada do teste incremental de esforço progressivo máximo, bem como estabelecer a possível influência do nível de treinamento sobre estas respostas.
MÉTODO: Trinta e oito voluntários fizeram duas visitas ao centro de treinamento com intervalo de três a cinco dias. Na primeira visita os voluntários assinaram um termo de consentimento, tiveram suas medidas antropométricas registradas e realizaram a primeira sessão de corrida progressiva máxima. Na segunda visita o teste progressivo máximo foi novamente realizado. O protocolo consistiu em incrementos de 0,5 km.h-1 a cada min iniciando a uma velocidade individual de corrida classificada como confortável por cada participante (7 a 9 km.h-1). Todos os participantes foram encorajados a alcançar o máximo de desempenho possível em ambos os testes, tendo como critério de finalização, a exaustão voluntária máxima.
RESULTADO: O coeficiente de correlação intra-classe (CCI) apresentou excelente consistência da medida (0,975) para VPico (p = 0,001). O erro típico relativo da medida foi de 2,6% para a estabilidade da medida de VPico. Não foram observadas diferenças significativas entre os coeficientes de variação individuais para as medidas G1 vs. G2 (p > 0,05). A representação gráfica de Bland-Altman demonstrou distribuição homogênea do erro da medida para todas as variáveis dependentes.
CONCLUSÃO: A determinação da VPico exibiu excelentes níveis de confiabilidade, com pequenos erros de medida. Não houve influência do nível de treinamento sobre as respostas de confiabilidade.


Palavras-chave: Reprodutibilidade; VO<sub>2Máx</sub>; Exercício Aeróbio; Desempenho Aeróbio.